XI Folkcom debate comunicação e cultura popular

Folkcom NatalO início da XI Conferência Brasileira de Folkcomunicação (Folkcom) abriu seus trabalhos na manhã desta terça-feira (2), com explicação da importância da cultura popular para os estudos da comunicação. A atividade acontece hoje e amanhã, distribuída em 4 sessões, com a primeira hoje das 9 às 12h. A segunda vai retomar o ciclo de palestras nesta tarde das 14 às 17h. O Folkcom é realizado no auditório da Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).A abertura foi feita pela coordenadora local do Folkcom, Profª. Drª. Maria Érica de Oliveira Lima (UFRN), e contou também com a presença dos professores Mário Valença (Diretor do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes – CCHLA – da UFRN), a Profª. Drª. Betânia Maciel (Presidente da Rede Folkcom – UFRPE), Profª. e pesquisadora Maria Cristina Gobbi (UMESP/UNESP – Bauru) e Daliana Cascudo (neta do folclorista Luís da Câmara Cascudo e representante do Memorial Câmara Cascudo). Além da participação especial do Dr. Roberto Benjamin, presidente da Comissão Nacional de Folclore da Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE.

A Profª. Drª. Betânia Maciel, coordenadora nacional do evento, falou da Rede Folkcom (Rede de Estudos e Pesquisas em Folkcomunicação), oficializada desde 1998 como uma organização não-governamental para o desenvolvimento de atividades ligadas à folkcomunicação. A organização está registrada seguindo os critérios legais para sociedades civis sem fins lucrativos, e é administrada por uma diretoria executiva, além de  conselho administrativo e conselho fiscal.

Um dos principais objetivos da rede Folkcom é, segundo a Profª. Drª. Betânia Maciel, “compreender o contexto da folkcomunicação a partir da localização: do homem, da festa, da culinária, do artesanato, da música, da religião, da arquitetura e do trabalho”. Palavras de Luiz Beltrão – pesquisador pioneiro nas ciências da comunicação, citadas pela professora.

Analisando a relação entre a comunicação popular e o processo comunicacional brasileiro o Prof. Roberto Benjamin acredita que “a comunicação se dá quando os indivíduos participam da mesma cultura. À medida que isso não acontece, a comunicação é falha. É essencial que o comunicador esteja preparado para conhecer as comunidades populares que serão suas receptoras”. Em seguida anunciou os ganhadores do I Prêmio Câmara Cascudo de folkcomunicação nas categorias: documentário, reportagem e artigo científico.

Repórter: Ananília
Salustino e Saulo Tarso
Fotógrafo(a): Diogo César Alves
Editor: Mayse Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *