Universidade da Região de Blumenau lança Hemeroteca José Marques de Melo em Congresso da Intercom

Na foto, a coordenadora Roseméri Laurindo, Silvia Briseno e a professora Clarissa Josgrilberg | Foto: Roseméri Laurindo

A Universidade da Região de Blumenau (Furb), representada pelas professoras Roseméri Laurindo e Clarissa Josgrilberg, lançou, oficialmente, durante a programação do 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, a Hemeroteca José Marques de Melo. O momento foi contemplado com a presença da viúva do professor, a Dona Silvia Briseno Marques de Melo.

O megaevento organizado pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), ocorrido entre os dias 02 e 08, em Joinville-SC, organizou uma extensa programação de homenagens ao professor José Marques de Melo, cenário oportuno para destacar as grandes contribuições que o pesquisador deixou ao Campo da Comunicação.

A ideia da hemeroteca surgiu em meados de 2014, quando o professor fez doação de cerca de dois mil exemplares de livros e 150 periódicos acadêmicos da Comunicação, considerados raros, à Furb. Diante da riqueza de todo o material, e em conversa com a universidade, foi decidido encontrar um meio diferenciado de organizá-lo.

Acervo da Hemeroteca na FURB. | Foto: FURB

A manifestação do professor José Marques de Melo em doar esse material, considerado muito rico, surgiu na aula magna de abertura do curso de jornalismo da Furb, naquele mesmo ano. O curso foi considerado o primeiro do país a seguir as diretrizes curriculares aprovadas em setembro de 2013. De acordo com a coordenadora fundadora do curso de jornalismo da Furb, a professora Roseméri Laurindo, assim que o material doado chegou, os técnicos da biblioteca avaliaram a qualidade e, com a primeira turma do curso, foi pensado como organizá-lo.

Conforme destacou Roseméri, a primeira classificação foi feita como atividade da disciplina História do livro, da mídia e da leitura, ministrada pela professora Alessandra Doering Meinicke, que assumiu a tarefa de separar os livros, no segundo semestre do curso. “Esse momento foi bem bacana porque, já no segundo semestre, os alunos começaram a adentrar nesse universo científico da comunicação e também se inspirar nesse legado do nosso padrinho José Marques de Melo”, conta.

O projeto foi retomado, a pedido dos próprios estudantes, na disciplina de Tópicos Especiais, ministrada pela professora Clarissa Josgrilberg, ex-orientanda do professor Marques de Melo. Nesse momento, surgiu a ideia de lançar uma versão digital da hemeroteca, na qual Clarissa ficou responsável. A partir de então, todos os livros foram catalogados em planilhas e posteriormente incluídos no sistema de busca da biblioteca, possibilitando, assim, o empréstimo não só aos alunos da universidade, como também a toda comunidade acadêmica do país.

“Nosso plano futuro é digitalizar o material e conectá-lo as outras hemerotecas doadas pelo professor Marques em todo país, a fim de que consigamos reunir uma base de dados que auxilie não só nas pesquisas de comunicação, mas também a entender as bases que estão na constituição do pensamento do maior pesquisador da área deste país”, conta Clarissa.

Na hemeroteca, os estudantes passam a ter acesso livre e sem custo, a publicações que incluem volumes e periódicos de política, cultura, educação e coleções gerais, que vão servir de base para diversos trabalhos científicos e pesquisas, suprindo necessidades e facilitando o acesso ao conhecimento.

Outra vantagem do portal é que o interessado que não é da universidade pode solicitar o material desejado e recebê-lo digitalizado. De acordo com os organizadores, a catalogação ainda não está concluída, mas a intenção é finalizá-la até fim do ano letivo de 2018.

Roseméri Laurindo apresenta o projeto. | Foto: Pablo Luiz

Segundo Roseméri, a digitalização do material possibilitará, às novas gerações, acesso a uma herança que pode fazer ponte do passado, na área científica, para as necessidades de pesquisas no futuro, visando a transformação. A intenção é incentivar, a partir desses dispositivos, os cursos da área de comunicação, a criação de novos projetos de pesquisa, de extensão e de ensino. “Há algum tempo se falava na extinção das hemerotecas, naquele modo tradicional e, hoje, podemos ver que elas podem ser digitalizadas. Ou seja, tem muita coisa que a gente pode fazer ainda a partir desse material para ser mais que um repositório, ser um ambiente de intercâmbio entre pesquisadores”, finaliza.

As consultas à Hemeroteca José Marques de Melo podem ser generalizadas, em mecanismo de busca geral, por título ou autor disponível. Para ter acesso à plataforma digital, acesse este link.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *