Tradições de Ano Novo e seus significados

flores ao marO termo réveillon vem do francês reveiller, e significa “uma refeição noturna”, adaptada às festas que já ocorriam em meados de 1885, segundo a antropóloga Marilu Campelo (UFPA). Trata-se de uma invenção europeia, trazida para as demais sociedades e países ocidentais. “Entretanto, o hábito de comemorar a passagem do ano é bem mais antigo e varia de povo para povo, pois cada grupo tinha a sua contagem de tempo.” No Brasil, é seguida a tradição católica iniciada a partir de 1582, adotada do calendário gregoriano. Esse calendário foi inventado pelos romanos, os primeiros a fazerem uma grande festa para o fim do ano.

Algumas ações simbólicas realizadas na passagem do ano já estão incorporadas às tradições populares brasileiras, mas nem sempre sabemos o significado de cada uma delas. Elas se apresentam, por vezes, como ações folkcomunicacionais, visto que estabelecem uma forma de comunicação com o mundo e com o sagrado, tendo como base elementos da cultura popular. Aqui, alguns desses ritos e sua representação.

Oferecer presentes para Iemanjá
O nome Iemanjá tem origem nos termos do idioma yorubá “Yèyé omo ejá”, que significam “mãe cujos filhos são como peixes”. Iemanjá é considerada a mãe das águas, cujos seios fartos alimentam a todos. Muitos acreditam que a oferenda à Rainha do Mar traz boa sorte durante o ano inteiro; por isso, sabonetes, perfumes, joias, espumantes, velas brancas e azuis são algumas das ofertas lançadas ao mar no período do réveillon. A preferência, contudo, parece ser pelas flores, normalmente palmas e rosas brancas. É possível também incluir um bilhetinho com a oferenda.

Comer lentilhas
No Brasil e no Chile, algumas pessoas acreditam que a lentilha deve ser a primeira coisa a ser consumida na ceia, logo após a meia-noite, para que não falte dinheiro durante o ano que está chegando. Dizem que a origem da tradição é italiana, trazida ao Brasil por imigrantes. Algumas leituras indicam que a associação ao dinheiro é feita devido ao formato do alimento, semelhante a moedas. Outras, porém, alegam que a lentilha não simboliza a vinda de dinheiro, e sim fartura; mesma simbologia dada ao consumo de uvas e avelãs durante a passagem do ano.

Pular sete ondas
Segundo os gregos, o mar tem um poder espiritual e pode renovar as energias das pessoas, mas foram os africanos que trouxeram à tona a tradição de pular as sete ondas. Não há consenso sobre quando o ritual surgiu, mas sabe-se que é uma prática umbandista, replicada aleatoriamente pela coletividade. A prática é um ritual de purificação que traz explicações diversas, porém, dois significados são mais conhecidos. O primeiro afirma que os sete pulos são a confirmação em sete vezes da devoção à Rainha do Mar. A outra versão aponta que cada onda representa um Orixá, que é saudado e solicitado força para o novo ano.

Defumar a casa
Para o antropólogo Romero Ximenes (UFPA), defumar as casas no final do ano é um rito de purificação e limpeza do ambiente praticado pela religião católica, pelo candomblé, pela umbanda e por outras manifestações religiosas, inclusive fora dos cultos. Segundo ele, na Amazônia defuma-se na pajelança indígena usando tabaco, breu-branco, priprioca, entre outras ervas. “No Pará, é comum o uso de banhos e defumações na passagem do ano usando produtos de cultos afro. O breu-branco, especialmente perfumado e produtos de fumaça abundante é um destaque regional”, afirma Romero.

Vestir branco
Alguns afirmam que a tradição de usar roupa branca no réveillon veio das tribos africanas, que usavam trajes brancos – que significam paz e purificação espiritual -, para homenagear Iemanjá na virada do ano. A pesquisadora Marilu Campelo partilha da mesma  opinião, salientando que a tradição, com origem na umbanda, teria iniciado com algumas pessoas que faziam oferendas nas praias cariocas e santistas para Iemanjá.“Depois, a mídia começou a reproduzir estas festas já inseridas em um gosto de classe, relacionando isso a outros significados que diferiam do sentimento afro religioso. Acredito que a moda ‘pegou’ a partir da popularização nas novelas e programas de TV, nos anos 80 e 90, portanto este é um hábito recente no país”, completa.

Evitar consumo de aves
Os supersticiosos acreditam que na noite do Ano Novo não se deve consumir galinhas ou frangos, por exemplo, pois são aves que ciscam para trás e isso significaria “atraso na vida”. Por isso, normalmente a preferência por carne de porco ou de peixes, animais que se movimentam sempre para frente, o que representaria prosperidade.

Consumir vinho espumante
Nas religiões cristãs, o vinho é considerado sabedoria e vida. Por serem feitos com uvas, acredita-se que traz sorte e prosperidade para o novo ano. Neste caso, os supersticiosos sugerem que a bebida seja consumida em taça de cristal, pois a mesma purifica as energias espirituais.

Com informações do site Oba Oba e do Portal UFPA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *