Cátedra Unesco

 

Visite a Cátedra Unesco Umesp.

Estudar os fluxos midiáticos regionais, este o desafio que se lançou aos ventos em 1996, quando foi criada a Cátedra Unesco de Comunicação para o Desenvolvimento Regional na Universidade Metodista de são Paulo. Compreender os aspectos teóricos da dimensão regional – que passava pelos contornos internacionais, nacionais, em subregiões de países e até mesmo para microrregiões em Estados, passou a representar um compromisso deste espaço de pesquisa, para realçar aspectos da cultura midiática menos estudados sistematicamente nos nossos dias.

Inovadora no campo da comunicação virtual, a cátedra lançou no Brasil – e fez seguidores – o Jornal Brasileiro das Ciências da Comunicação, um veículo virtual que atinge hoje todo o continente e a maioria dos pesquisadores brasileiros da área de Comunicação, transformando-se numa referência obrigatória para informar acontecimentos, eventos, defesas, lançamentos de livros, documentos do campo, bem como exercer sua função crítica de alertar para as contradições destes momentos que vivemos.Também neste aspecto, a criação de uma revista virtual, a PCLA – Pensamento Comunicacional Latino-americano, ensejou aos dirigentes da cátedra, e a um conjunto de colaboradores do Brasil e do exterior, a troca permanente de idéias sobre teses que permeiam o nosso cotidiano, incentivando os fluxos comunicacionais e a discussão sobre os impactos da comunicação na sociedade neste princípio de século XXI.

E, mais do que isso, a Cátedra Unesco de Comunicação tem sido um núcleo fomentador e difusor dos paradigmas latino-americanos, com o objetivo de, ao mesmotempo, prover os programas de pós-graduação de textos e documentos sobre seus próprios pensadores e, mais do que isso, fazer com que estas idéias igualmente comecem a perpassar oscursos de graduação, indo até as salas de aula. O enriquecimento dos acervos, a partir da produção e difusão intelectual promovida pela cátedra, fez com que bibliotecas e centros de pesquisa especializados em comunicação passassem a ampliar seus repertórios com observações colhidas a partir da impressão dos pensadores deste continente. E nem mesmo as adversidades econômicas e a recessão mundial, que conteve recursos para a realização de eventos, diminuiu a intensidade do diálogo. Driblados pela velocidade e poder de difusão da internet, as idéias comunicacionais fluíram e foram importantes para que os atuais pesquisadores olhassem de forma respeitosa a contribuição dos seus pioneiros e contemporâneos no campo da pesquisa científica sobre comunicação social.

(Adaptado de QUEIROZ Adolpho, Projeção internacional: ação da Cátedra Unesco-Umesp de Comunicação para o Desenvolvimento Regional. Comunicação e Sociedade, v. 1, n. 40, 2003).