Revista Brasileira de História da Mídia (RBHM) lança Dossiê sobre Marques de Melo

A edição do mês de dezembro de 2018 da Revista Brasileira de História da Mídia (RBHM), organizada pela Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia (Alcar), traz como destaque o Dossiê José Marques de Melo, grande personalidade na pesquisa em comunicação no país. Os textos abordam as contribuições do pesquisador para os estudos de história da imprensa, para a construção e consolidação do pensamento comunicacional brasileiro e ibero-americano, para as pesquisas sobre folkcomunicação e organização das instituições de pesquisadores da área, inclusive a própria Alcar.

A publicação teve como objetivo o registro e análise das contribuições de Marques de Melo, bem como a homenagem ao seu trabalho. Segundo Aline Strelow, professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) e atual editora da Revista, o professor se destacou como desbravador no campo da Comunicação no Brasil e deixou uma grande contribuição aos estudos de história da mídia. “Suas pesquisas, muitas delas pioneiras, iniciaram a construção de um percurso que ele mesmo ajudou a consolidar, criando, fundando e incentivando iniciativas fundamentais para a constituição e fortalecimento da Comunicação e da história das mídias e dos processos comunicacionais”, conta.

No quesito Folkcomunicação, a pesquisadora Karina Janz Woitowicz, juntamente com o vice-presidente da Rede de Estudos e Pesquisa em Folkcomunicação (Rede Folkcom), Guilherme Moreira Fernandes, publicaram o trabalho “José Marques de Melo e a história da folkcomunicação: contribuições para o estudo da comunicação dos marginalizados”. De acordo com Karina, foi uma grata satisfação registrar as maiores contribuições do professor à pesquisa em Folkcomunicação. Segundo ela, mesmo que o trabalho não consiga representar toda a grandiosidade da trajetória de Marques de Melo, vale a consideração do registro para outros (as) pesquisadores (as) que se interessam pela área.

“Destacamos, no artigo, a valorização do pensamento comunicacional dos marginalizados, o percurso intelectual de José Marques de Melo e a difusão da Folkcomunicação, com ênfase nas pesquisas e orientações metodológicas desenvolvidas pelo professor, o seu papel na consolidação da Folkcomunicação, a partir da atuação na realização de eventos e no protagonismo em entidades científicas, entre outros aspectos que fazem parte desta memória”, comenta Karina.

No atual momento, que se destaca como conturbado para o jornalismo e a comunicação em si, em contraste com a figura de Marques de Melo e todas as suas contribuições para a área, Aline destacou que o exemplo de competência e determinação do professor pode iluminar o percurso dos pesquisadores para que o seu legado de pesquisador, aglutinador e incentivador de realizações coletivas seja continuado. “O trabalho em conjunto, articulado em grupos, redes, programas e instituições de pesquisa é um bom caminho a seguir, pelo menos assim tem sido na RBHM”, diz.

Para Karina, a ausência dele certamente abala os estudos na área, pois sempre assumiu papel agregador e inegável protagonismo na descoberta de temas emergentes e abordagens teórico-metodológicas. “Vivemos agora um momento em que é preciso trazer a motivação do professor para continuarmos a fortalecer a rede de pesquisas e lutar pelo reconhecimento cada vez maior da folkcomunicação, especialmente fora do Brasil”, diz.

A RBHM conta também com artigos gerais que tratam de temas como o 07 de setembro na revista Veja, a seção de cartas da revista TV Sul Programas; análise dos jornais Folha de Ituiutaba e do Correio do Triângulo; historiografia do rádio universitário no Brasil; mídia e revolução em Portugal; rádio pública e conhecimento científico, entre outros. Há ainda entrevista com o livreiro e escritor Daniel Krasucki, além de uma resenha. O acesso ao conteúdo é gratuito e pode ser feito por aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *