“Reconciliação…e agora?” é tema do V Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero

seminario-internacional-padre-cicero

Em 2015, um evento marcou de forma indelével a história do Padre Cícero, de seus romeiros e romeiras e de Juazeiro do Norte: a Reconciliação da Igreja Católica com o Patriarca do Nordeste, o Padre Cícero Romão Batista. Cientes da importância deste fato e de suas repercussões nas mais diferentes esferas da sociedade, a Universidade Regional do Cariri (URCA), por meio do Instituto José Marrocos de Pesquisas Sócio-Culturais (IPESC), dá continuidade às reflexões que vêm sendo promovidas nos Simpósios Internacionais sobre o Padre Cícero e propõe a realização do V Simpósio Internacional, a ser realizado entre os dias 20 a 24 de março de 2017, no Memorial Padre Cícero e na Escola Padre Cícero, em Juazeiro do Norte.

Entre os participantes já confirmados, estão os doutores Candice Slater, da Universidade de Berkeley – USA; e John Eade, da Universidade de Roehampton – UK.  Acompanhe aqui a ementa de cada um dos quinze Grupos de Trabalho. Outras informações podem ser acessadas no site do evento.

GT 1: OUTROS LUGARES DE MEMÓRIA: TERRITÓRIOS, TRADIÇÕES, RELIGIOSIDADE E SABERES DOS DEVOTOS DE PADRE CÍCERO
Coordenadoras: Dra.Elis Regina Barbosa Angelo – UFRRJ; Dra. Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros – UERJ.

 
Os lugares de memória se formam tanto da intenção em manter viva a imagem quanto a seleção de uma organização voluntária, intencional e/ou seletiva de aspectos do passado. A memória vive e prevalece na medida em que objetos, sentidos e saberes a referencia, pois, nasce de um sentido formado a partir do conceito de que não há memória espontânea, considerando a necessidade que se tem em acumular vestígios, testemunhos e documentos sobre o passado, capazes de formar provas e registros dos aspectos que o referenciam. Os arquivos, bibliotecas, objetos e instrumentos que de certo modo tem a missão de salvaguardar a memória, ao passo que ela vai sendo incorporada com uma finalidade de valorizar aspectos específicos de pessoas, lugares e sentidos, formam acervos e promovem o rememorar de outras temporalidades. Esses lugares de memória reivindicam o direito de “cultivar” e mostrar os seus atributos sobre quem ou o que “são” os símbolos, imagens, pessoas e lugares que identificam a cultura nas suas mais diversificadas dimensões. Esse GT busca agrupar pesquisadores que abordem aspectos ligados à devoção ao padre Cícero Romão Batista fora do nordeste, condensando pesquisas que abordem religiosidade, território, espaço e saberes nas suas mais diversificadas formas e metodologias, a fim de compreender como vem sendo abordada a cultura do povo devoto nos processos de migrações e construções em outros territórios do país e do mundo.

GT 2: ENSINO RELIGIOSO, ROMARIAS E DIVERSIDADE
Coordenadores: Ms.Emanuel Marcondes de Souza Torquato – UFCA; Ms. Francisco José da Silva – UFCA; Ms. Leda Mendes Pinheiro -UFCA.
 
No mundo contemporâneo a religião continua a existir e coexistir de maneira fragmentada, porém interativa em suas experiências na relação das forças reguladoras e até mesmo institucionais de controle. No âmbito da autonomia e da liberdade de escolhas e opções, as sociedades contemporâneas tecem no emaranhado dos tecidos socioculturais e religiosos, sua teia como estratégia de espaços alternativos de sentido e de equilíbrio entre a humanidade, a natureza e o transcendente, possibilitando a vivência das experiências sagradas no âmbito pessoal e na articulação coletiva das subjetividades. O fenômeno religioso estende-se pelos vários e diferentes tecidos socioculturais e geo-humanos, produzindo sentidos, construindo sistemas simbólicos, forjando ethos e possibilitando difusas discussões. O palco das romarias em Juazeiro do Norte, a experiência em torno das narrativas acerca do Pe. Cícero, a Mãe das Dores, a Beata Maria de Araújo, o romeiro e a fé, forjam diversos cenários intercomunicantes. É a partir da pluralidade religiosa, da vivência das diferentes religiosidades e da diversidade de sua interpretação e abordagens teórico-metodológicas nas romarias, que somos instigados a uma discussão interdisciplinar. A abordagem interdisciplinar possibilita os olhares múltiplos para os temas e processos ligados à constituição da contemporaneidade, assim como o papel e o lugar da religião em todo esse processo. Desse modo, a abordagem interdisciplinar torna-se um método indispensável para o estudo e a pesquisa das religiões no âmbito da educação e do ensino religioso, objetivando o esclarecimento sobre a liberdade de opções no âmbito das crenças religiosas e de seu campo hermenêutico, assim como promovendo o exercício dos quadros de direitos e de cidadania na construção da democracia Este GT pretende contribuir com o debate, promovendo o interesse pelo tema na academia e na sociedade.

GT 3: GÊNERO, RELIGIÃO E SEXUALIDADES NO CARIRI CEARENSE
Coordenadores: Dra. Fernanda Lemos – UFPB; Antonio Leonardo Figueiredo Calou (Mestrando em Ciências das Religiões – UFPB).
 
Com base nas relações entre gênero, religião e sexualidade, tendo como articulação a problemática histórica de conflitos e subversões, este grupo de temático tem por objetivo reunir trabalhos entorno destes assuntos a partir do espaço geográfico do Cariri cearense. Buscar-se-á, a partir das Ciências das Religiões, um debate multi-trans-interdisciplinar para análise das categorias e objetos de discursos religiosos em torno das cidades que compõe a região do Cariri cearense. Serão contemplados trabalhos que apresentem diálogos e marcos conceituais como: análises de culturas religiosas patriarcais; teologia feminista e teologia Queer; movimentos feministas e sexuais no Cariri cearense articulado ao discurso religioso; o sagrado feminino; educação, diversidade sexual e religiosa; estudos sobre instituições religiosas inclusivas e excludentes; mulheres e LGBTT’s e sua aderência a espiritualidade; e estudos biográficos de personalidades do Cariri cearense que contemplem as temáticas.

GT 4: A POLIFONIA SONORA EM TORNO DA DEVOÇÃO AO PADRE CÍCERO
Coordenadores: Dr. André Álcman O. Damasceno – URCA; Amanda Priscila Souza e Silva (Mestranda em Antropologia – UFPE).
 
Neste GT propomos discutir trabalhos nas áreas das ciências musicais e humanas que abordem a diversidade da produção musical que ocorre nos eventos religiosos da região do Cariri, em especial durante as romarias da cidade de Juazeiro do Norte. Nestas encontramos um espaço de ressignificações do que é considerado sacro ou não, sobretudo quanto à música, verificada, por exemplo, na simultaneidade da escuta dos cantos litúrgicos e das músicas “mundanas” tocadas no entorno das igrejas, possibilitando diversas análises das dimensões “sagradas” e “profanas” que estão em constante articulação. Desta forma, tanto nas romarias quanto nos outros cenários religiosos do catolicismo popular do Cariri, evidencia­se uma variedade de disputas e negociações simbólicas e territoriais entre as formas de liturgias da Igreja Católica e a cultura popular, permitindo a esta reapropriações que demarcam a diversidade musical e cultural desta região. Assim, pretendemos discutir os sentidos sociais da música nos espaços religiosos oficiais e não oficiais, explicitando apropriações formais e usos dos mais diversos pelos romeiros e pelos demais atores que compõem as experiências religiosas do Cariri relacionadas à devoção ao Padre Cícero.

GT 5: HISTÓRIA ORAL E O SAGRADO
Coordenadoras: Ms. Ana Cristina de Sales – URCA; Ms. Maria Arleilma Ferreira de Sousa -URCA.
 
O objetivo deste Grupo de Trabalho (GT) é promover o debate no campo das pesquisas históricas e áreas afins, com estudantes (nível de graduação e pós-graduação) e docentes (níveis básico e superior), sobre as abordagens culturais na perspectiva de uma História da Igreja ou uma História das Práticas Religiosas, em que pese, naturalmente, a diversidade institucional e devocional do cristianismo brasileiro multifacetado e, de outras práticas de religiosidade, a partir do hibridismo cultural. Bem como promover o diálogo com a metodologia da história oral. Esta prática metodológica permite compreender a vida dos sujeitos envolvidos diretamente no trabalho estudado. Por isso, é reconhecida como história viva, as narrativas de memória são acionadas pelos historiadores enquanto parte do contexto histórico que contribuem na compreensão dos processos sociais, entendendo, assim, a experiência humana em suas múltiplas dimensões. Dessa forma esperamos reunir pesquisas que tratam dos mais diversos ritos de santidade e experiências religiosas como tema e objeto.

GT 6: A EXPERIÊNCIA DA ROMARIA E SEUS SIGNIFICADOS
Coordenadoras: Ms. Adriana Maria Simião da Silva -URCA/UFC; Dra. Ercilia Maria Braga de Olinda – UFC; Dra. Maria Paula Jacinto Cordeiro – URCA.
 
Os romeiros que se dirigem a Juazeiro do Norte são motivados por ampla variedade de interesses, além do devocional. Além da participação institucional da Pastoral e outros setores da Igreja Católica, muitos agentes sociais com variadas intenções de proveito nas romarias também a ela agregam sentidos. De outra forma, as romarias também podem ser analisadas sob recortes específicos entre seus participantes: mulheres, jovens, idosos. A partir da realidade produzida no enfoque das nuances das romarias, destacamos aquelas que as caracterizam como movimento romeiro, festa e culto, no recorte de experiências sociorreligiosas, culturais e biográficas. Este grupo de trabalho atenta para a necessidade de se ampliar as dimensões de compreensão que abrangem a produção de significados diante da disputa simbólica das designações em que a noção tradicional de romaria é colocada em jogo. Se de um lado é entendida como peregrinação, representando um modelo de comunidade emocional e religiosa, a tessitura da experiência romeira também comporta uma miscelânea de experiências de alteridade e outras vivências que se descortinam nas perspectivas de análise da relação do indivíduo consigo mesmo, com a coletividade em seu “o aspecto plural”, com o sagrado da devoção e com o lúdico da festa em todas as implicações sociais que perpassam esse cenário na contemporaneidade. É nessa dimensão experiencial que propomos discutir a complexidade multidimensional desse campo de investigação, destacando as diversas possibilidades de abordagens metodológicas – etnográficas, (auto)biográficas, documentais, sondagens, entre outras.

GT 7: SEXO, GÊNERO E SEXUALIDADE: FLUXOS DA DIVERSIDADE NO CARIRI DO PADRE CÍCERO
Coordenadoras: Dra. Iara Maria de Araújo – URCA; Ms. Antônia Eudivania de Oliveira Silva – URCA/UFRN.
 
A proposta do GT Sexo, gênero e sexualidade: fluxos da diversidade no cariri do Padre Cícero tem a intenção de provocar discussões sobre a normatização dos gêneros e as formas de subversão do olhar heteronormativo. Tencionar formas, naturalizadas, explicativas para os processos constitutivos das identidades sexuais e de gênero e que apontem para modos plurais de afirmação de diferenças, considerando os contextos sociais, culturais e discursivos e suas formas de regulação e normatização por instituições como família, escola, igreja. Desse modo, o GT se propõe a discutir temas que perpassem os conceitos de sexo, gênero e sexualidade onde a intersecção com outros marcadores sociais como violência, etnia, educação, classe social, religião, dentre outros estejam em análise. Assim, situações de campo, metodologias de pesquisa e discussões teóricas que envolvam as questões acima serão o foco do grupo de trabalho.

GT 8: JUAZEIRO DO NORTE DO PADRE CÍCERO, A CIDADE E A ECONOMIA: UM POLO DE MODERNIZAÇÃO IRRADIADOR NO SERTÃO DO SEMIÁRIDO NORDESTINO.
Coordenadores: Dr. Francisco do O’ de Lima Júnior – URCA; Douglas Rodrigues Feitosa (Mestrando em Planejamento e Dinâmicas Territoriais do Semiárido – UERN).
 
O presente Grupo de Trabalho – GT tem por objetivo reunir pesquisadores, estudantes e professores de diversas áreas para a discussão acerca do papel assumido pela Cidade do Padre Cícero como pólo de dinamização econômica do semiárido nordestino. Com o passar do tempo, em torno do significado histórico da figura do Padre Cícero e dos fatos a ele relacionados, Juazeiro do Norte tornou-se o principal centro urbano do interior do Ceará e sua localização faz com que assuma papel econômico de relevância numa vasta área que abrange quase todo o território do semiárido nordestino e transformou-se em núcleo da Região Metropolitana do Cariri – RM Cariri. Assim sendo, esta cidade vira lócus relevante que polariza os processos modernizantes na economia manifestados em fenômenos como: i) a crescente urbanização e seus movimentos decorrentes; ii) a diversificação em todos os setores da atividade econômica; iii) os processos migratórios; iv) a sua proeminência na rede urbana cearense com grande influência em todo o território do semiárido; v) a lógica empreendedora pautada na diversidade regional.O recente reconhecimento advindo com o processo de Reconciliação potencializa este conjunto de fatores. Neste sentido, o GT estará voltado para temas problematizados nestes elementos acima destacados abarcando pesquisas da Economia Regional, Administração, Turismo, Ciências Sociais, Geografia, História e áreas afins.

GT 9: O BRASIL ENTRE MILAGRES E CONFLITOS: DIMENSÕES POLÍTICO-SOCIAIS NA TRANSIÇÃO DO SÉCULO XIX PARA O XX
Coordenadores: Ms. Jucieldo Ferreira Alexandre – URCA; Ms. Paulo Henrique Fontes Cadena – UFPE.
 
Março de 1889: no pequeno povoado do Joaseiro, um fenômeno extraordinário teve lugar na capela de Nossa Senhora das Dores, atraindo levas de devotos à localidade e dinamizando deforma única a vida política, cultural e social dos sujeitos históricos daquele tempo. Novembro do mesmo ano: após quase cinquenta anos de reinado, Dom Pedro II foi deposto do trono, tendo início a República. A proposta deste Grupo de Trabalho é reunir pesquisas com temáticas relacionadas às últimas décadas do século XIX e início do XX, contexto de transição do Império para a República. A mudança de regime indicia contexto agitado, no qual questões essenciais para compreensão da sociedade brasileira da época se manifestavam. O colapso da escravidão e a problemática incorporação dos libertos à cidadania caminharam ao lado da ascensão de teorias científicas de cunho racial, inferiorizadoras de negros e mestiços. A separação entre Estado e Igreja foi permeada pelos debates entorno da ascensão de concepções políticas, científicas e religiosas – como o positivismo, espiritismo, socialismo, anarquismo, darwinismo, romanização, entre outras -, indutoras de novo vocabulário às culturas políticas do período. Os movimentos sociais urbanos e rurais apontavam para os limites da República, marcada por um liberalismo difuso, praticamente soterrado na violência e autoritarismo estatal e pela intensificação das práticas políticas oligárquicas a nível federal. Destarte, a difusão do “milagre em Joaseiro” a partir de 1889 é um simbólico indício de um recorte temporal tenso, dinâmico e contraditório, inspirador de pesquisas a serem comunicadas neste espaço de discussão.

GT 10: RELIGIÃO E POLÍTICA
Coordenadoras: Dra. Renata Marinho Paz – URCA; Ms. Fátima Pinho – URCA.
 
Nos anos 90, em meio ao debate acerca da secularização e do desencantamento do mundo, o sociólogo norte-americano Peter Berger afirmava que, cada vez mais, a realidade contemporânea se tornava “furiosamente religiosa”. Fatos recentes da história mundial e brasileira em larga medida corroboram esta perspectiva de Berger. A relação entre religião e política está presente no cotidiano das instituições e dos sujeitos. O Brasil, ao longo de sua história, espelha bem esta situação de borramento de fronteiras entre essas duas esferas. O acirramento de manifestações de intolerância, além da profusão de debates e lutas em torno da diversidade religiosa, envolvendo lideranças e comunidades religiosas, intelectuais, políticos e movimentos sociais revelam o quanto religião e política encontram-se de tal modo amalgamadas que se torna difícil separá-las.Tomando como base esses pressupostos, a proposta deste Grupo de Trabalho é congregar discussões que tenham como base a relação entre religião e política, considerando suas diferentes possibilidades de interface, com destaque para 1) as análises sobre movimentos religiosos e tensionamentos políticos (como o caso de Juazeiro, por exemplo); 2) as relação entre religião e movimentos sociais; 3) religião e eleições.

GT 11. IMAGENS DE JUAZEIRO: REFLEXÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS SOBRE FOTOGRAFIA E CINEMA COMO FORMA DE REPRESENTAÇÃO/APRESENTAÇÃO DA CIDADE DO PADRE CÍCERO.
Coordenadores: Dr. Thiago Zanotti Carminati – URCA; Ms. Glauco Vieira Fernandes – URCA/ UFC; Ms. Rubens Venâncio – URCA/UFMG.

O presente Grupo de Trabalho pretende reunir pesquisadores ao redor da discussão sobre a multiplicidade de narrativas visuais a respeito de Juazeiro do Norte e, mais detidamente, sobre a construção imagética do personagem Padre Cícero. Constata-se a crescente produção visual ancorada nas múltiplas manifestações que caracterizam a cidade de Juazeiro – eventos como o das romarias, dos festejos populares, de acontecimentos políticos e religiosos -, assim como na vida daquele que foi o seu Patriarca; uma produção iniciada desde o instante da ocorrência do chamado “milagre de Joaseiro”, em finais do século XIX. As narrativas imagéticas se configuram enquanto objetos de um campo de pesquisa propício para múltiplas análises. Narrativas fotográficas, cinematográficas, impressas, audiovisuais, televisivas, de moda, da publicidade, das artes e das tecnologias da informação e comunicação, o grupo propõe debater estas que são narrativas capazes de informar os modos de representação/apresentação visual e audiovisual em seus mais diferentes formatos e gêneros, a partir de uma perspectiva inter e transdisciplinar tomando como eixos a reflexão a cultura, o espaço social, as artes, os estilos de vida e as cosmovisões que formam e se formam neste lugares de criação.

GT 12: A PRESENÇA EVANGÉLICA EM TERRENO CATÓLICO: COMPREENDENDO A DIVERSIDADE RELIGIOSA NA TERRA DO PADRE CÍCERO

Coordenadoras: Ms. Itamara Meneses – IFPE; Ms. Priscila Ribeiro – FAPCE.
 

Os estudos sobre religião na cidade de Juazeiro do Norte, também conhecida como terra do “Padim Ciço” são muito expressivos. Pesquisas que se voltam na compreensão da dinâmica religiosa juazeirense pelo viés de um catolicismo, pautado, sobretudo, na devoção ao Padre Cícero enriquecem a compreensão religiosa local. Essa grande atenção pode ser explicada pelo fato de Juazeiro do Norte ser um dos maiores pólos de romarias do país, fator bastante interessante tanto para a religiosidade do município como para a economia. Não desconsiderando essa realidade, mas no esforço de ampliação de estudos sobre a questão religiosa no Juazeiro do Norte, o presente Grupo de Trabalho propõe pensar acerca de outras denominações religiosas que vem crescendo significativamente na cidade. A partir de um intenso trabalho de investigação realizado pelas coordenadoras do GT desde 2010, foi observado que a terra tida do Padre Cícero abarca uma diversidade religiosa inimaginável, considerando, sobretudo, a presença evangélica. Nesse sentido, acolheremos no GT trabalhos que flutuem sobre a temática religiosa para além do catolicismo. Instigamos pesquisadores a pensar a dinâmica religiosa juazeirense por um viés que não esteja atrelado somente ao sentido de crença proposto pelo catolicismo e fundamentado no santo, Padre Cícero. Observando a presença e o crescimento evangélico dentro de um contexto que tende a negar o seu aparecimento e permanência, pensamos ser muito interessante dialogar a partir dessa conjuntura. Dado isso, a proposta é acolher trabalhos que mergulhem sobre a temática religiosa, compreendendo outros sistemas de crenças, enfatizando a vertente evangélica devido ao crescimento que vem sendo percebido.


GT 13: ROMARIAS, DIVERSIDADES E IDENTIDADE ETNICO-RACIAL

Coordenadoras: Dra. Maria Telvira da Conceição – URCA; Dra. Cícera Nunes – URCA.
 

O propósito deste Grupo de Trabalho é abrir um espaço de discussão e de diálogo sobre a diversidade histórica, cultural e étnico-racial que configuram o território das romarias, incluindo o Cariri cearense, profundamente marcado por uma diversidade significativa de expressões e práticas, entre as quais, as irmandades de penitentes, as renovações, as festas em homenagem aos santos católicos, os terreiros de candomblé, e a devoção ao Pe. Cícero dentre outras. Nesse cenário, a cidade de Juazeiro do Norte se constituiu ao longo do século XIX e XX como o principal centro desse amalgama histórico e cultural e racial. Interagir com pesquisadores e suas produções voltadas para as problemáticas que emergem desses cenários e se intercruzam na profundidade das inter-relações e interpelações que alimenta o campo histórico, social, cultural, identitário e racial da diversidade dos processos históricos e dos sujeitos em suas vivências concretas e singulares e inquietantes.


GT 14: PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL E AMBIENTAL: DEBATES CONTEMPORÂNEOS

Coordenadoras: Ms. Priscilla Régis Cunha de Queiroz -UFCA; Ms. Cícera Patrícia Alcântara Bezerra – UFCA.
 

Atualmente os debates referentes aos bens culturais e ambientais se estabelecem principalmente pelas interfaces entre patrimônio, memória, cultura, identidade, meio ambiente e turismo, estas decorrentes de redefinições teórico-metodológicas vivenciadas nesses campos de estudos e atuação. Entendemos que por intermédio dessas interfaces é possível problematizar os diferentes papeis que o campo do patrimônio vem adquirindo nos últimos anos, seja no âmbito das Politicas Públicas, seja nos processos de legitimação de determinados grupos identitários. Neste sentido, a proposta do nosso Grupo de Trabalho é reunir pesquisas que de maneira interdisciplinar dialoguem com os campos do patrimônio histórico-cultural e ambiental de modo a construir reflexões acerca da trajetória histórica das ações de preservação de bens patrimoniais, bem como das apropriações desses instrumentos e discursos na produção/reinvindicação de determinadas territorialidades. Para tanto, abordaremos problemas que reverberam nas ações e mecanismos de proteção cultural e ambiental, no papel da Educação Patrimonial enquanto articuladora desses processos de apropriação, bem como na problematização da relação entre os discursos patrimoniais e os conceitos de identidade, cultura e memória na construção de uma multiplicidade de experiências históricas.


GT 15: PADRE CÍCERO E MEIOS DE COMUNICAÇÃO

Coordenadora: Dra. Sônia Meneses – URCA.
 

Desde sua atuação religiosa em Juazeiro do Norte, Pe. Cícero lidou com aportes comunicacionais tanto para interagir com seus seguidores, como também para divulgar suas ideias para além de seus territórios. Figura emblemática e polêmica, também foi retratado em inúmeros veículos de comunicação regionais e nacionais, não por acaso, constantemente se tornou notícia em jornais de várias partes do país ainda em vida. Após sua morte, tais apropriações só aumentaram reeditando sua figura icônica em vários produtos: Filmes, documentários, fotografias, xilogravuras, livros, jornais, blogs, programas de tv, dentre muitos outros. O objetivo desse grupo temático é abrir espaço para o diálogo com pesquisas que invistam em trabalhos com diversos meios de comunicação e linguagens. A preocupação será debater sobre problemas, metodologias e fontes relacionadas a essas produções. Compreendemos que as últimas décadas do século XX e primeiras do século XXI tem nos colocado como desafio o lidar com um conjunto de novas linguagens e narrativas que advêm dos vários espaços comunicacionais. Assim, interessa-nos compreender com esses produtos operam e lidam com narrativas sobre esses fenômenos no tempo. Serão bem-vindas investigações que trabalhem com narrativas, práticas, memórias e representações sobre os fenômenos religiosos sobre a figura de Pe. Cícero como de outros acontecimentos religiosos presentes na Região do Cariri produzidas a partir dos meios de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *