Obra sobre escultura popular nordestina é relançada

reinado da luaA terceira edição do livro O Reinado da lua – escultores populares do Nordeste, das pesquisadoras Silvia Rodrigues Coimbra, Flávia Martins e Maria Leticia Duarte, ganha um pré-lançamento no Recife. O evento acontece hoje, a partir das 17h, no Museu de Arte Popular (Pátio de São Pedro). Graças a uma parceria com a Prefeitura do Recife, estarão presentes, além das três autoras, alguns dos artistas retratados no livro, de Caruaru, Tracunhaém e Recife. Entre eles, Manuel Eudócio, que está com uma exposição em cartaz na Galeria de Arte Popular Pé de Boi (RJ).

Esta edição de O Reinado da lua... tem 1 mil exemplares e será vendida no pré-lançamento pelo preço promocional de R$ 60. A publicação reúne depoimentos e registros fotográficos de 109 escultores populares, suas obras e locais de trabalho. “O cerne do livro foi justamente registrar o trabalho dos artistas, através da própria concepção que eles têm do próprio universo. Desde o início queríamos não só a pesquisa bibliográfica, mas manter os depoimentos deles. A ideia não era fazer um estudo sociológico, nem um levantamento estatístico. Priorizamos justamento o discurso do artista e buscamos subsídios em um vasto material bibliográfico”, afirma a pesquisadora Flávia
Martins, que considera os artistas como co-autores do livro.

O projeto surgiu como uma ideia de Sílvia Rodrigues Coimbra, que há anos pesquisa a arte popular e mantinha a Galeria Maria Fulô de Artes e Ofícios. Após o convite a Flávia Martins e Maria Letícia, e com o apoio da Organization Catholique Cannadiene pour le Developpement et la Paix, elas caíram em campo entre os anos de 1976 e 1980.

Escultores de 32 municípios, de todos os Estados nordestinos, foram incluídos no trabalho. Entre eles, há pernambucanos como Ana das Carrancas e o Mestre Vitalino.

Os artistas são organizados em doze grupos, distribuídos em capítulos como Santeiros do massapê, Animando a brincadeira, A presença do mestre e Em terra de romaria. No início de cada um deles, há um texto analítico que destaca as características comuns ao grupo. Os capítulos trazem informações como o contexto sócio-econômico dos artistas, temáticas e condições de mercado.

Ao final do livro, há uma lista dos escultores identificados pela pesquisa mas que não chegaram a ser entrevistados, uma vasta bibliografia e um mapa com a localização dos artistas por Estado.

A primeira edição do trabalho foi lançada há 29 anos e esta reedição foi realizada pelo Centro Cultural Banco do Nordeste (CNBB).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *