Livro de pesquisadora da REDE FOLKCOM analisa marcas folkcomunicacionais na literatura de Beltrão

Lançamento do livro na Folkcom 2015, em Cuiabá-MT.

Lançamento do livro na Folkcom 2015, em Cuiabá-MT. Foto: Júnia Martins.

Publicado pela Intercom, o livro de Eliane Mergulhão, Marcas folkcomunicacionais na obra literária de Luiz Beltrão (2015), analisa a comunicação dos excluídos através das culturas das sociedades periféricas, tendo como base elementos referentes à Teoria da Folkcomunicação. Para tanto, a autora seleciona e analisa textos literários de Luiz Beltrão, ao passo que verifica se as narrativas relacionadas à cultura popular configuram também elementos folkcomunicacionais.

A obra é resultado da tese defendida por Mergulhão na Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), no Doutorado em Comunicação Social. Com apresentação feita por seu orientador, José Marques de Melo, e prólogo escrito por Guilherme Fernandes, a obra inova na aproximação entre a folkcomunicação e a literatura beltraniana, ainda não tão conhecida no ambiente acadêmico.

Abaixo, um trecho do prefácio, sob o olhar de Cristina Schmidt:

“Na visão de Luiz Beltrão, o mundo vivido cotidianamente aonde os homens comuns vão construindo sua história e transformando e formando grupos de trabalho, de festa, de fé, de relações afetivas e criação cultural é o que fornece todos os elementos para compreender a dinâmica da sociedade. São mundos específicos, com linguagens próprias, que vão se articulando a grupos maiores, abrangendo e refletindo da localidade à globalidade. Com uma abrangência além da situação geográfica – rural ou urbana, nacional ou internacional -, ou da restrição do popular ou erudito, nem tampouco, da hierarquização das manifestações “mais ou menos” culturais.

Nessa atenção especial para os mundo específicos – que denomina “grupos marginalizados” – Beltrão vai militar e defender uma prática jornalística, acadêmica e literária voltada para os protagonistas (líderes de opinião) e os processos repletos de informações produzidas na esfera das relações comunitárias (folkcomunicação).

Na literatura, o jornalista deixa evidente que sua produção está voltada para excluídos dos processos hegemônicos. Para situar suas personagens, ele adentra o campo do folclore, e com um trabalho simultâneo, dialoga com técnicas literárias e jornalísticas. E é aqui que está a grande contribuição deste livro de Eliane Mergulhão, um trabalho de interpretação literária e de demonstração do campo científico da folkcomunicação. Ela faz isso de modo dinâmico, ao trazer os contos de Luiz Beltrão para elucidar a postura perspicaz de Luiz Beltrão para escrever e divulgar personagens, realidades ímpares, saberes singulares.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *