Chamada de trabalhos para o III Encontro Internacional de Folkcomunicação

BANNER-FOLKCOM-WEBDe 7* a 10 de junho, será realizada a terceira edição do Encontro Internacional de Folkcomunicação – FORUM FOLKCOM, evento que ocorre a cada dois anos, reunindo pesquisadores de distintos países. A Universidad Austral de Chile (Valdívia-Chile) sediará o Encontro, que traz como tema “Cultura popular, atores locais e comunicação ibero-americana”. O objetivo primeiro desta edição é promover o diálogo entre pesquisadores que abordam a comunicação e as manifestações expressivas da cultura popular a partir de distintas perspectivas teóricas na América Latina, Portugal e Espanha, e entre pesquisadores com atores locais, profissionais, estudantes universitários e gestores culturais da sociedade civil.

A Folkcomunicação surge com uma perspectiva teórica da pesquisa em comunicação nos fins da década de 1960, como desdobramento de modelos psicossociais da mass communication research norte-americana, mas ao mesmo tempo se distancia, à medida em que busca pautar questões singulares da polifônica realidade brasileira com projeção latino-americana. A Folkcomunicação busca sua singularidade teórica e metodológica quando enfatiza práticas comunicacionais socialmente marginalizadas: o folclore e sua relação com os processos de modernização midiática e as dinâmicas comunicacionais em distintas esferas culturais.

A pesquisa em Folkcomunicação se dedica a compreender as formas culturais de pouca visibilidade (pouca agenda) nos sistemas hegemônicos de comunicação, mas que igualmente constituem o cotidiano e o ambiente simbólico de amplos setores culturais populares, fundamentalmente de setores marginalizados ou por exclusão ou – como enfatiza diversos autores contemporâneos – por “inclusão subordinada”.

A teoria da Folkcomunicação se constitui como perspectiva científica criada pelo brasileiro Luiz Beltrão, emergida da sua tese de doutorado. Luiz Beltrão também deu passos decisivos para a sistematização do ensino da Comunicação e do Jornalismo no Brasil com importantes livros, como “Iniciação à Filosofia do Jornalismo” (1960), “A Imprensa Informativa” (1969), “Comunicação e Folclore” (1971), “Fundamentos Científicos da Comunicação” (1973), “Teoria Geral da Comunicação” (1977), “Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados” (1980), “Teoria da Comunicação de Massa” (1986), entre outros.

No Brasil, por iniciativa de Beltrão, foi criado o primeiro Instituto Científico de Comunicação (ICINFORM) e a primeira revista científica da área, “Comunicação e Problemas”. Como homenagem ao seu legado, a Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares em Comunicação (Intercom) realiza anualmente o Prêmio Luiz Beltrão, que concede homenagem a pesquisadores e instituições que se destacam no campo da Comunicação.

Marques de Melo destaca que, nos anos 1970, com a criação deste âmbito de estudos, Beltrão já perscrutava ao que, nos anos 1980, com o desenvolvimento dos Estudos de Cultura na América Latina, se conheceu como as mediações culturais na perspectiva de Jesús Martín-Barbero.

Nos últimos anos, distintas são as correntes que refletem sobre as manifestações populares que fazem diálogo com a Folkcomunicação. Existe uma constante preocupação para compreender as dinâmicas contemporâneas que, no contexto do capitalismo tardio e considerando o lugar geopolítico da América Latina, tem as manifestações expressivas dos seguimentos sociais historicamente subalternos como alimento. Neste sentido, manifestações folclóricas coexistem com outras distintas manifestações, nutridas mutuamente por sistemas comunicativos de ampla complexidade histórica, simbólica e conjuntural. Desta forma, temos visto emergir diversas correntes teóricas que, devido às relações de economia política da própria academia latino-americana, nem sempre tem circulação e, ensejando muitas vezes equívocos, pela ausência de conhecimento e/ou diálogo entre pesquisadores cujos âmbitos e problemas de pesquisa – a respeito das relações entre comunicação e cultura popular – são amplamente convergentes.

Assim como no Brasil surge a Folkcomunicação, no México, Jorge González vem estudando processos que dão vida ao que ele denomina frentes culturais. De modo semelhante, na Argentina, a folklorística deixou um desenvolvimento conceitual relevante na base dos estudos do folclore como comunicação poética e performance, tendo como referência pesquisadoras e pesquisadores como Martha Blache, Ana Dupey e Fernando Fischman, os quais, com base antropológica, desenvolveram estudos sobre a etnografia da comunicação e do folclore.

O FORUM FOLKCOM – Encontro Internacional de Folkcomunicação –  foi realizado pela primeira vez em Portugal e mais tarde no Brasil. É um evento criado pela Rede Folkcom com o objetivo de ampliar a discussão sob a perspectiva da folkcomunicação e, ao mesmo tempo, conectar demandas provenientes de distintas comunidades locais, acadêmicas e disciplinares de países periféricos – estimulando e sedimentando a produção científica em cultura popular e comunicação.

O III Encontro Internacional de Folkcomunicação, a se realizar em Valdívia, intensificará o diálogo entre atores vinculados à pesquisa social e aqueles que, a partir das artes evidenciam a sua própria práxis das dinâmicas atuais, discursivas e expressivas. Este “diálogo” será o selo e o horizonte em torno do qual nossa universidade buscará aportar intercâmbios de perspectivas e manifestações. A intenção é proporcionar a cada participante um espaço de difusão de olhares convergentes e até mesmo divergentes, que permitam induzir não apenas a importantes reflexões epistemológicas e metodológicas, mas também pensar, sem dissociação, a práxis das nossas sociedades periféricas a partir da comunicação e das culturas populares.

Chamada dos Grupos de Trabalho (GTs)
Convidamos acadêmicos (professores), profissionais, estudantes de pós-graduação e de graduação para que enviem resumos de até 300 palavras para o e-mail EncuentrodefolkcomunicaciónChile [arroba] gmail [ponto] com, identificando o Grupo de Trabalho. A data limite para envio dos resumos é o dia 10 de maio. Os autores cujos trabalhos forem aceitos receberão a carta de aceite até o dia 15 de maio de 2016.

Custo da participação:
Acadêmicos e profissionais: $5000 pesos chilenos. (cerca de R$26)
Estudantes de pós-graduação: $2500 pesos chilenos. (cerca de R$13)
Estudantes de graduação: isentos
(Brasileiros devem fazer a inscrição e pagamento no local do evento)

Grupos de Trabalho e coordenadores respectivos:

GT1: Folkcomunicacão e metodologias
Coordenadores

Dra. Maria Cristina Gobbi. E-mail: mcgobbi [arroba] terra [ponto] com [ponto] br
Dr. Fábio Corniani. E-mail: fcorniani [arroba] gmail [ponto] com

GT2: Cultura popular e comunicação
Coordenadores

Dr. Marcelo Guardia Crespo. E-mail: guardia [arroba] ucbcba [ponto] edu [ponto] bo
Ms. Víctor Hugo Valenzuela E-mail: victorhugo [ponto] valenzuela [arroba] gmail [ponto] com

GT3: Jornalismo e cultura popular
Coordenadores

Dra. Lucía Castellón. E-mail lucia [ponto] castellon [arroba] umayor [ponto] cl
Dr.Marcelo Pires de Oliveira. E-mail. mpoliveira [arroba] uesc [ponto] br

GT4: Diálogos folkcomunicacionais
Coordenadores
Dr. José Arturo Figueroa. E-mail. jafiguero [arroba] gmail [ponto] com
Ms. Gisa Carvalho. E-mail mgisacarvalho [arroba] gmail [ponto] com

Site: http://folkcomchile.cl/

Contato e ENVIO DE ARTIGOS:
EncuentrodefolkcomunicaciónChile [arroba] gmail [ponto] com

*7 de junho, à noite, será a abertura oficial do evento, com apresentações artísticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *