A Folkcomunicação no contexto das rurbanidades é tema da primeira mesa da FOLKCOM 2017

Foto: Júnia Martins.

Nesta quarta, 03, pela manhã, aconteceu a primeira mesa-redonda, intitulada “A Folkcomunicação no contexto das rurbanidades”, mediada pela professora Sônia Regina (USP), que introduziu o público ao conceito de “rurbanidade”, junção do rural com o urbano no contexto sociocultural.

A mesa foi iniciada com a fala do professor Dr. Osvaldo Trigueiro (UFPB), grande conhecedor da teoria da folkcomunicação, que explanou sobre sua pesquisa de mestrado e doutorado, na qual observou como as redes de comunicação chegaram às pequenas comunidades no estado da Paraíba, investigando duas delas nos últimos 20 anos. Foram apresentadas imagens feitas durante suas pesquisas, mostrando a evolução do uso das tecnologias nos meios rurais, antes mesmo da chegada de estruturas necessárias, como políticas públicas voltadas a estes meios. “As tecnologias chegam antes das políticas públicas” afirma o professor Trigueiro.

Passando a palavra para a professora Dra. Rita Alcântara (POSMEX, UFRPE), essa falou sobre as duas experiências mais recentes em seus estudos sobre a gestão hidráulica e cultivo da vinicultura às margens do Rio Douro, em Portugal, fazendo paralelo com o cultuvo de uva presente em Juazeiro/BA. “Não tem como estudar local, sem passar pelo regional e internacional”, afirmou Rita sobre os resultados de suas pesquisas no Rio Douro, onde toda a produção é local, mas as decisões a respeito dos métodos de produção são tomadas em Bruxelas, uma vez que a produção contribui na porcentagem do PIB do país, afetando diretamente no mercado internacional.

Em seguida, o professor Dr. Iury Parente (Uneb) explanou sobre sua pesquisa, relacionando Luís Beltrão e o Ciespal – Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para a América Latina, temática relacionada à sua pesquisa de mestrado. Por fim, a mesa foi encerrada pelo professor Ms. Lawrenberg Advíncula (Unemat), que estuda a Folkcomunicação e o imaginário rurbano do cerrado brasileiro. Ele abordou brevemente suas pesquisas nos canais alternativos que buscam interação com as comunidades; assim como as pesquisas sobre as festas religiosas em Poconé/MT, com trabalhos em Alto Araguaia, expandidos para Cuiabá. Lawrenberg  é um dos organizadores do livro “Cenários comunicacionais entre as sociedades industriais e as emergentes”, que será lançado hoje durante o evento.

A primeira mesa da XVIII Conferência Brasileira de Folkcomunicação contou ainda com os comentários incisivos da antropóloga Luitgarde Cavalcante que ‘incendiou’ as discussões, relacionando os temas apresentados com a política brasileira e as desigualdades sociais.

Fonte: Thalia Varela – Agência Fotec | Júnia Martins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *